COMO SE DELINEIAM OS CAMPOS POLÍTICOS NA ATUAL CONJUNTURA?

COMO SE DELINEIAM OS CAMPOS POLÍTICOS NA ATUAL CONJUNTURA?

Por Wanderson Pinheiro, da Executiva Nacional da UP

 Os campos políticos começam a se delinear para a disputa política e eleitoral. Teremos três campos com matizes neoliberais, um campo centrista que segue a reboque dos demais e um campo revolucionário que nasce e se desenvolve.

 Uma aliança de lula com setores do neoliberalismo é fato. Independente do vice ser Geraldo Alckmin ou Luiza Trajano, a aliança prioritária é com a grande burguesia. Assim, teremos chapas neoliberais para todos os gostos: uma neoliberal fascista, uma neoliberal pura e uma neoliberal desenvolvimentista, todas elas se propondo a administrar a crise e manter o status quo. 

 A manutenção e ampliação da dependência do Brasil do capital estrangeiro, será uma consequência inevitável em qualquer um destes cenários. 

 Outros setores da esquerda, seguindo a reboque da social democracia, iludidos com as especulações que prometem vitória certa, subestimam a capacidade do fascismo de recorrer a violência. Estes mesmos setores esperam a decisão do PT se desarmam, abandonam pautas da esquerda, tudo para conciliar com a social democracia, podendo inclusive ser descartados visto que a aliança prioritária do PT é com o neoliberalismo. Isto me parece um fato.

 É importante pontuar que não consideramos os campos acima todos iguais, fazemos alianças contra o fascismo nas ruas e consideramos este o inimigo principal. Porém acreditamos que os neoliberais e os sociais democratas, cada um do seu jeito, não dá prioridade a derrubada do governo fascista e nem prioridade em devolver os direitos.

 Desta forma surge a candidatura da UP que acerta muito em soltar a mão de quem tem uma política equivocada e inconsequente. A unidade da esquerda deve ser pautada numa política de esquerda, com o povo trabalhador, para derrubar o governo fascista e não para se submeter ao neoliberalismo. Seguimos e daremos continuidade com o Povo na Rua, nos armando política e ideologicamente, dando demonstração de coerência e construindo o campo de uma verdadeira esquerda.

 A pré-candidatura de Leonardo Péricles da UP é apresentada com objetivos claros:

1) aglutinar a classe trabalhadora para derrubar o fascista Jair Bolsonaro já e combater o fascismo antes, durante e após as eleições;

2) dar continuidade aos atos Fora Bolsonaro, agora nas periferias;

3) construir um grandioso partido que defenda os reais interesses dos trabalhadores e do povo!;

4) lutar pelo direito ao voto popular, ameaçado pelo fascismo;

5) montar comitês de solidariedade e contra o fascismo – os comitês de campanha do camarada Léo Péricles.

 Desta forma, os campos estão dados. Vamos construir e consolidar o campo da esquerda socialista e revolucionária, que não abriu mão das pautas nem das ações necessárias na luta de classes. Vamos juntos derrubar o governo fascista de Bolsonaro, derrotar os capitalistas e lutar pela construção do socialismo no Brasil.

Nenhum comentário

Adicione seu comentário